unidades

Graffiti e Arte Urbana

Por que estudar essa disciplina?

Na arte contemporânea, não há mais como negar a importância e o protagonismo que o Graffiti e outras manifestações ganharam, por se apoderar do espaço público ao mesmo tempo que o revigora, gerando assim um circuito totalmente novo, que vai de centros urbanos a bairros industriais abandonados, e de áreas nobres a bairros extremamente carentes. Conhecer essa realidade da arte urbana é uma forma de se localizar diante de tantas transformações sociais.


Quem são os estudantes desse curso e o que se espera deles?

Todas as pessoas que possuam alguma curiosidade de entender o que leva alguém a produzir um trabalho na rua, sujeito a qualquer reação e adversidade, sem garantia nenhuma de respeito ou permanência. E todas as pessoas que tenham um desejo de se expressar pro mundo, tendo experiência em desenho ou não.


Objetivos globais da disciplina

Através de tópicos, história, debates e aulas práticas, pretende-se que o estudante compreenda com mais intimidade a produção artística no contexto urbano e público, de como tal cultura se desenvolve, e seus possíveis caminhos.

 

Aprendizados de longo prazo (ALP)

Com o fim da dominação de poucas instituições sobre a arte (tal como governos e igrejas) a cidade em si se torna um campo fértil e promissor para a produção e expressão artística, e aprimorar esse olhar sobre a cidade é importante para que a população no geral retome uma sensação do espaço urbano como um espaço de uso, e não apenas de locomoção do ponto A para o ponto B.


Sobre o professor da disciplina

Davi Baltar (davi) é grafiteiro desde 2006, formado em licenciatura em artes pela UFRJ, gosta de desenhar desde criança, e não acredita no “dom” e sim na paixão e no esforço. Natural de Niterói-RJ, tem diversos murais espalhados por lugares como Rio, Espírito Santo, Curitiba, Porto Alegre, Pelotas, e mais recentemente, Paris. Ministra aulas, workshops e oficinas de graffiti desde 2009.

A estrutura da disciplina

Aula 1: Origens do movimento

Gangues, movimento hip-hop, dos trens nova-iorquinos para o mundo.

Debate: o graffiti surgiu com o hip-hop ou apenas se ressignificou?

Prática: primeiro contato com spray.


Aula 2: Graffiti como arte

Festivais de street art, exposições em galerias e museus.

Artistas como Basquiat, Keith Haring e Banksy atingindo cifras milionárias com suas obras.

Debate: o graffiti perde seu caráter transgressor ao ser absorvido pelo sistema de arte?

Prática: efeitos e truques com spray

 

Aula 3: Graffiti no Brasil

Origens, São Paulo como Meca do graffiti e a reação do Estado, os mutirões de graffiti.

Debate: Graffiti x Pichação: arte contra vandalismo ou braços de um mesmo corpo?

Prática: elaboração de uma obra coletiva.

 

Aula 4: Arte de Rua e internet

Novas configurações da arte de rua com o mundo digital.

Prática: conclusão das obras coletivas dos alunos.

« volta